Notícias

Com novo terminal, APM promete transformar o setor portuário da Guatemala

By | 29 Nov, 2017

A APM Terminais, com operações em 59 países, inaugurou, na última semana, um terminal de contêineres de classe mundial, com capacidade de 340 mil TEUs, em Quetzal, na Guatemala. Com as novas instalações a APM planeja ter as operações portuárias mais eficazes do país.

O terminal possui, no total, quatro canais de navegação, que conectam as indústrias de importação e exportação do país para mercados estrangeiros.

Para a sua construção, a empresa investiu cerca de U$ 180 milhões, por meio de uma Joint Venture formada também pelo IFC- Banco Mundial, e anunciou ainda o investimento de U$ 145 milhões em suas instalações nos próximos 19 anos.

Por estar localizado a 98 quilômetros de distância da Cidade da Guatemala, o novo terminal serve navios que normalmente viajariam para os portos da costa atlântica, que ficam a cinco horas de distância.

A APM quer planeja que os caminhoneiros que utilizam o complexo possam fazer viagens dentro e fora do porto em um tempo médio de 30 minutos.

Os setor portuário da Guatemala tem crescido nos últimos anos. Só em 2016, ele movimentou um total de 1,57 milhões de TEUs em 2016,  superando a Costa Rica com 1,34 milhões de TEUs. Entre as nações da América Central, o país só perdeu parao Panamá, que com seus portos de transbordo associados ao Canal em Colón e Balboa, movimentaram 6,25 milhões de TEUs em 2016.

Na cerimônia de inauguração do terminal, falando aos líderes do governo, diplomatas, clientes e convidados, Henrik Lundgaard Pedersen, Diretor Comercial da APM Terminals, saudou o público e declarou: “Todo país quer acesso a um porto competitivo e estamos orgulhosos de projetar nosso novo recipiente terminal em torno das necessidades de crescimento do país e das empresas guatemaltecas”.

Sob o ponto de vista estratégico, o Diretor afirmou que “A APM Terminals Quetzal desempenhará um papel estratégico no futuro econômico da Guatemala e na competitividade nos mercados mundiais”.

Fonte: A Tribuna, 28/11/2017.