Notícias

Desinteresse por terminais de Paranaguá surpreende o governo

By | 30 Jul, 2018

Autoridades governamentais se disseram surpresas com a ausência de interessados nos dois terminais portuários no Porto de Paranaguá que foram ofertados em leilão nesta sexta-feira, 27, um voltado para movimentação de papel e celulose (PAR01) e outro de veículos (PAR12). O certame ocorreu na manhã desta sexta e resultou no arrendamento de apenas um terminal portuário, localizado no Porto de Itaqui, no Maranhão, que foi conquistado pela Suzano Papel e Celulose, única proponente, que ofereceu um valor de outorga de R$ 100 mil. O valor mínimo era de R$ 1.

“As áreas foram estudadas em cima de demandas verificadas. São áreas que operam hoje no porto em regime público e, portanto, as cargas existem. Estava dentro do contexto de viabilidade. Esse é um assunto que vamos ter de estudar, mas me parece que bem modelado, são contratos bastante interessantes para a iniciativa privada. Para mim foi uma surpresa, não esperava dar vazio, ainda mais num porto como Paranaguá, contratos com potencial de ir para 70 anos. Não vejo justificativa plausível para essas áreas terem dado vazio”, disse o diretor geral da Agência nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Mário Povia.

Ele minimizou o peso da mudança do custo médio ponderado do capital (WACC, na sigla em inglês), de 10% para 8,03% definido para as áreas leiloadas como fator determinante para a ausência de interessados. “Pode ter pesado, mas não acredito que tenha sido preponderante. Não acho que a WACC atual inviabilize”, disse. Para ele, o terminal foi bem precificado e não está caro.

Ao justificar sua visão de que a taxa de retorno de 8,03% é adequada, Povia citou que o terminal em Itaqui que foi arrematado pela Suzano tinha as mesmas premissas e o mesmo WACC.

Mas sugeriu que o fato de o Porto de Paranaguá ser bem gerido, oferecendo boas estruturas para que as áreas operem em regime público, pode ter reduzido a atratividade do arrendamento. “Mas abrir mão de um contrato com esse potencial, uma segurança jurídica… me parece uma oportunidade desperdiçada”, disse o diretor geral, sugerindo que não foi um problema de modelo, mas uma decisão envolvendo estratégia de negócio das empresas, referindo-se ao fato de que os terminais eram voltados para determinadas indústrias com unidades de produção de papel e celulose e de automóveis no Paraná e que utilizam o porto, como a Klabin e a Renault.

O diretor do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) responsável pela área portuária, Diogo Piloni da Silva, também disse não acreditar que somente o WACC tenha sido determinante. “A questão da WAAC é sensível na atratividade dos empreendimentos, mas tem que lembrar que a última taxa de WACC que o governo estava trabalhando, de 10%, era de uma nota técnica de 2015, e de lá para cá a condição econômica se alterou fortemente e faz sentido uma atualização no valor. A nosso ver, não está fora da expectativa, não”, disse.

Fonte: Maringá, odiario.com, 28/7/2018.