Notícias

Hidrovias do Brasil entra no mercado de transporte de cargas por cabotagem

By | 20 Set, 2016

A Hidrovias do Brasil acaba de anunciar a aquisição de duas embarcações da Log-In que prestam o serviço de logística na cadeia de bauxita no Norte do país. A transação marca a expansão do portfólio de serviços da companhia e sua entrada no segmento de movimentação de cargas por meio de cabotagem.

A aquisição, realizada após um processo de negociação que durou mais de um ano, demandará investimentos da ordem de R$ 680 milhões e permitirá à empresa ampliar a integração das soluções logísticas que oferece, inaugurando uma nova frente de negócios para a companhia.

Entre os ativos da Log-In adquiridos pela Hidrovias do Brasil estão as embarcações Log-In Tambaqui e Log-In Tucunaré e o contrato de longo prazo celebrado com a Alunorte para transporte de bauxita entre Porto Trombetas e Vila do Conde, no Estado do Pará. Segundo a empresa, a transação ainda está sujeita ao cumprimento de certas condições precedentes estabelecidas no contrato.

 

Logística integrada na América do Sul

Com a aquisição dos ativos, a Hidrovias do Brasil amplia seu portfólio ao somar a cabotagem ao transporte e movimentação de cargas pelos corredores hidroviários na América do Sul. Na região Norte, por exemplo, a empresa iniciou recentemente a operação no Pará com movimentação e transporte de grãos por meio de comboios de barcaças da sua Estação de Transbordo de Cargas (ETC) de Miritituba até o seu Terminal de Uso Privado (TUP) nas proximidades de Vila do Conde, em Barcarena. Nesta operação, deverão ser movimentadas aproximadamente 1 milhão de toneladas de grãos este ano, volume que deverá ser ampliado para 3 milhões  em 2017 e alcançar a capacidade de 6,5 milhões de toneladas até 2020.

Além disso, a empresa já opera o Corredor Logístico Sul pela Hidrovia Paraguai-Paraná, com capacidade de movimentação de até 8 milhões de toneladas de cargas diversas, entre commodities agrícolas, minérios, entre outros, em quatro grandes operações que passam pelo Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina.

Fonte: SF Agro, 19/9/2016.