Notícias

Porto do Pecém se prepara para receber megacargueiros

By | 18 Out, 2016

Principal equipamento de infraestrutura logística no Estado, o Porto do Pecém vem recebendo sucessivos investimentos voltados para o aumento de sua capacidade de operação. Com a recente ampliação do Canal do Panamá, a expectativa é que, em breve, o porto cearense se torne um ponto de parada dos maiores cargueiros do mundo, tornando-se um hub (centro de conexões) de contêineres do País. Os investimentos nas obras de expansão do Porto do Pecém somam cerca de R$ 650 milhões, oriundos do Tesouro do Estado e do BNDES.

As obras, cuja conclusão está prevista para julho de 2017, incluem pavimentação e ampliação do quebra-mar, e uma nova ponte de acesso ao quebra-mar, que vai permitir o trânsito de caminhões para movimentação de placas da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), além da instalação de uma correia transportadora para minério de ferro para abastecer a usina. Segundo o governo, a ampliação irá quintuplicar a capacidade de movimentação de cargas do Porto.

Hoje, o Porto aguarda a homologação de dois berços de atracação, que terão capacidade para receber os maiores cargueiros de contêineres em operação, chamados de Post-Panamax. A expectativa é de que os berços estejam aptos a operar em novembro. “Com a homologação, vamos buscar operadores. Já estamos com negociações avançadas com algumas empresas. Para 2017, a gente tem uma expectativa de entrar na rota de um grande armador”, disse Rebeca Oliveira, diretora comercial da Cearáportos, empresa que administra o Porto do Pecém.

Para Heitor Studart, presidente do conselho temático de infraestrutura da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), a abertura do novo Canal do Panamá gerou grandes oportunidades para o Estado, mas a infraestrutura logística cearense, que vai além do Porto, está aquém do que deveria. “A abertura do (novo) Canal do Panamá vai transformar o Pecém, que está entre os terminais com as melhores tarifas do Brasil, no maior hub de transbordo do País”, ele diz.

Entretanto, considerando a infraestrutura do Estado, Studart avalia que é preciso retomar os investimentos no curto prazo, principalmente nos eixos rodoviário, ferroviário, de energia e saneamento. “Caso contrário, o Estado perderá novos investidores e mercados”. Para ele, não adianta o Porto ganhar eficiência sem investimentos nas vias de acesso que permitam o escoamento da produção do Ceará e de outras regiões do País.

Gargalos

Na avaliação de Studart, o maior obstáculo para o desenvolvimento e para a competitividade do setor industrial do Ceará é o anel viário, que ainda não foi concluído. “Quando se fala de anel viário, estamos falando da ligação entre os portos do Pecém e do Mucuripe”, diz. “Sabemos que o governo federal não tem recursos para esse investimento. Então a Fiec quer unir forças com o Governo do Estado e a CNI (Confederação Nacional da Indústria) para solucionar esse problema. Queremos definir o marco jurídico para conseguir investimentos, porque não adianta esperar pelo governo federal”.

Outro gargalo é a ferrovia Transnordestina, tida como fundamental para integração regional do Porto do Pecém, e a transposição do Rio São Francisco e do Cinturão das Águas. “Essas obras precisam ser concluídas. Esses são os grandes eixos que a gente tem de solucionar no curto prazo”, diz Studart. (BC)

Fonte: Diário do Nordeste (CE), 15/10/2016.