Notícias

Praticagem de São Paulo e Universidade Santa Cecília trocam dados

By | 22 Mai, 2017

Prever a altura e o período das ondas em um período de até 12 horas. Este é um dos objetivos do convênio firmado entre a Praticagem de São Paulo e a Universidade Santa Cecília (Unisanta), na última sexta-feira. As informações servirão de base para a escolha do melhor momento de entrada ou saída de embarcações do Porto de Santos.

O convênio terá como foco a utilização dos dados captados no Centro de Coordenação, Comunicações e Operações de Tráfego (C3OT) da Praticagem. A Unisanta os usará para o aprimoramento das pesquisas de previsão de marés, correntes e ondas, para dar suporte no cálculo da previsão do calado do Porto de Santos.

O conceito de calado está relacionado à segurança da navegação. Para não haver o risco de as embarcações rasparem o fundo do casco no leito do canal, podendo bater em uma rocha ou objeto (e até naufragar), elas devem manter uma distância segura dele. Para isso, é definido um limite da profundidade a ser atingida por seu casco (especificamente, sua quilha). Essa dimensão, que acaba sendo a altura da parte do casco que permanece submersa, é o calado do navio.

“O que nós fizemos é formalizar o convênio anterior e dar um upgrade nele. Vamos fornecer mais ferramentas para a Unisanta e, do lado da Praticagem, o que a gente espera é que eles desenvolvam estudos para que a gente tenha uma previsão de mais curto prazo de altura e período de ondas. A gente precisa de dados locais, dessa microprevisão”, destaca o presidente da Praticagem de São Paulo, Nilson Ferreira.

Os estudos são realizados pelo Núcleo de Pesquisas Hidrodinâmicas (NPH) da Faculdade de Engenharia. A coordenação é da professora Alexandra Sampaio. Segundo a educadora, o objetivo do novo estudo é a previsão cada vez mais precisa das condições ambientais para determinar o calado dinâmico dos navios durante a navegação no canal do Porto de Santos.

Nos últimos anos, a Unisanta implantou a plataforma AquaSafe, que faz a gestão de informação em tempo real para receber, processar e integrar automaticamente, em um único local, diversas fontes de informações disponíveis e que estavam dispersas.

“Além da renovação desse acordo, para a troca de informações, com o convênio conseguiremos dar continuidade e aprimorar o atual sistema de previsão hidrodinâmica e da agitação marítima (propagação de ondas) desenvolvido pelo NPH”, destaca a professora.

Entre essas informações que serão utilizadas pelos pesquisadores da universidade estão os dados obtidos pelos sensores meteorológicos e oceanográficos de diferentes instituições, inclusive da Praticagem de São Paulo. Com a parceria, a reunião e análise desses dados têm permitido auxiliar o trabalho dos práticos, visando o planejamento das operações, bem como a melhoria da segurança, a fim de evitar acidentes com os navios e eventuais danos à população, ao meio ambiente e à economia da região.

“Complementarmente, a evolução da pesquisa e da parceria com a Praticagem permitiu à equipe do NPH emitir, pelo menos, 20 boletins extraordinários de alertas de ressacas para os municípios de Santos e São Vicente desde julho de 2016, minimizando de forma crescente os riscos à população e auxiliando a Defesa Civil de Santos e do Estado de São Paulo na tomada de decisão”, explica a professora.

Segurança  

De acordo com o presidente da Praticagem, portos como os de Nova Iorque, nos Estados Unidos, e da Austrália contam com previsões das condições de navegação para curtos períodos, que auxiliam nas manobras. A ideia é que isso também aconteça no Porto de Santos, mas, para tanto, é necessária conclusão de modelos numéricos, que ficarão a cargo da universidade santista.

Fonte: A Tribuna, 21/5/2017.