Notícias

Tecon amplia movimentação de contêineres em 15,5%

By | 16 Nov, 2016

Mesmo diante da queda na movimentação de caixas metálicas no Porto de Santos, o Terminal de Contêineres (Tecon), administrado pela Santos Brasil, ampliou em 15,5% suas operações, informou a empresa nesta semana. No terceiro trimestre deste ano, a instalação, localizada na Margem Esquerda do complexo marítimo, em Guarujá, escoou 251.998 cofres e garantiu uma fatia que corresponde a 39,5% da movimentação do cais santista.

Entre julho e setembro, 641.045 contêineres entraram ou saíram do País pelo Porto de Santos. Os dados são da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a estatal que administra o complexo.

De acordo com a empresa, o crescimento das operações no Tecon Santos é reflexo do volume gerado por dois serviços de navegação que atuam nas rotas para a costa oeste da América do Sul e para a África e que começaram a utilizar o terminal no final do ano passado. Além disso, houve um aumento no número de contêineres dos serviços de navegação compartilhados que atracam na unidade. Esses serviços passaram a contar com novos armadores em sua composição.

Os contêineres movimentados pela Santos Brasil em seus três terminais – Santos, Imbituba (SC) e Vila do Conde (PA) – no terceiro trimestre deste ano, totalizaram 275.682 unidades. O crescimento de volume acumulado até setembro foi de 11,3%, segundo a empresa.

O aumento consolidado no volume do terceiro trimestre foi registrado, principalmente, nas operações de longo curso com importação, exportação e transbordo, que apresentaram altas de 18,1%, 22,0% e 15,1% respectivamente. As operações de cabotagem responderam por 23,2% do total movimentado no período e o transbordo por 32,6%.

A receita líquida consolidada pela Santos Brasil foi de R$ 222,6 milhões no terceiro trimestre. No acumulado do ano, totalizou R$ 622,1 milhões. No período, a empresa apresentou redução de 5,4% no custo médio por contêiner movimentado ou armazenado nos terminais portuários em relação ao observado no mesmo período do ano anterior.

Fonte: A Tribuna, 14/11/2016.