Superávit da balança comercial chega a US$ 22,89 bilhões em 2022, até a segunda semana de maio
A balança comercial brasileira fechou a segunda semana de maio com superávit de US$ 22,89 bilhões no acumulado do ano, com recuo de 3,5% sobre o período de janeiro a maio de 2021, pela média diária. A corrente de comércio registrou aumento: subiu 23,3% no mesmo período, atingindo US$ 208,14 bilhões. Isso foi reflexo do crescimento de 20% das exportações, que somaram US$ 115,52 bilhões, e do aumento de 27,6% das importações, que totalizaram US$ 92,62 bilhões. Os dados foram divulgados na segunda-feira (16/5) pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

A divulgação dos dados da balança comercial da terceira semana de maio está prevista para a próxima segunda-feira (23/5), após as 18 horas.

No mês de maio, até a segunda semana, as exportações cresceram 12,8% em relação à média diária de maio de 2021, somando US$ 14,08 bilhões. As importações cresceram 35,2% e totalizaram US$ 11,37 bilhões. Assim, o saldo positivo da balança comercial foi de US$ 2,71 bilhões, com redução de 33,3%, e a corrente de comércio aumentou 21,8%, alcançando US$ 25,45 bilhões.

Somente na segunda semana do mês, o superávit foi de US$ 496 milhões e a corrente de comércio atingiu US$ 12,431 bilhões, resultado de exportações no valor de US$ 6,463 bilhões e importações de US$ 5,968 bilhões.

Exportações mensais

O desempenho das exportações no mês, até a segunda semana, mostrou crescimentos de 2,8% na Agropecuária, que somou US$ 3,71 bilhões; de 5,6% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 3,07 bilhões; e de 22,7% na Indústria de Transformação, com US$ 7,22 bilhões.

Na Agropecuária, os destaques foram as vendas de trigo e centeio, não moídos (+837.347,1%), milho não moído, exceto milho doce (+10.996,3%) e café não torrado (+37,8%). A Indústria Extrativa vendeu mais produtos como outros minerais em bruto (+118,6%), minérios de níquel e seus concentrados (+215,1%) e óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+50,1%).

As exportações da Indústria de Transformação foram impulsionadas pelos embarques de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (+57,3%), carnes de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas (+39,6%) e farelos de soja e outros alimentos para animais – excluídos cereais não moídos –, farinhas de carnes e outros animais (+54,7%).

Importações no mês

Do lado das importações, no mês, a Secex constatou aumentos de 10,3% em Agropecuária, que somou US$ 228 milhões; de 72,3% na Indústria Extrativa, que chegou a US$ 831,42 milhões; e de 34,1% na Indústria de Transformação, que alcançou US$ 10,24 bilhões.

Os destaques foram a ampliação das compras de milho não moído, exceto milho doce (+83%), frutas e nozes não oleaginosas, frescas ou secas (+43,4%) e cacau em bruto ou torrado (+20.071,7%) na Agropecuária. Na Indústria Extrativa, aumentaram principalmente as entradas de carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (+184,8%), óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+57,7%) e gás natural, liquefeito ou não (+31,6%).

Já a Indústria de Transformação ampliou as compras de óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+158,3%), compostos organo-inorgânicos, compostos heterocíclicos, ácidos nucléicos e seus sais, e sulfonamidas (+69,4%), além de adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos (+223,4%).

Leia Também Outras Notícias

Agência Porto
| 29 Nov, 2022

Autoridades do Reino dos Países Baixos estreitam relação com Santos

Leia mais
Agência Porto
| 29 Nov, 2022

Governador do MS sanciona marco regulatório estadual das ferrovias, que vai permitir o desenvolvimento do setor

Leia mais
Agência Porto
| 29 Nov, 2022

Santos Brasil dá início às operações de granéis líquidos no Porto do Itaqui

Leia mais

Como podemos ajudar?

Conte como podemos auxiliar com um dos nossos serviços e soluções.

Solicite um orçamento

Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Privacidade.